Educação
A importância de uma equipe eficiente

A importância de uma equipe eficiente

Por Conexão Dentista- 15/08/2016

A equipe, mesmo quando é limitada a uma secretária, tem importância fundamental para o sucesso de um consultório. A atuação dos assistentes é determinante para que os clientes tenham uma experiência satisfatória – tanto na parte clínica como no relacionamento –, sejam fidelizados e divulguem o bom serviço prestado. “A equipe é um espelho do cirurgião-dentista”, ensina o consultor Daniel Brito.

“É necessária uma equipe capacitada, que veja no paciente um cliente em busca de soluções e que o acolha e cative”, diz Márcio Luiz Lima de Souza, consultor em gestão e marketing médico e odontológico. Escolher e administrar esse conjunto de profissionais, portanto, tem que ser uma prioridade.

O processo de seleção é a primeira etapa na gestão dos recursos humanos. “O ideal é contratar uma empresa especializada para selecionar o profissional”, recomenda o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, no Rio de Janeiro (ABRH-RJ), Paulo Sardinha. “E nunca contratar alguém por causa de relacionamentos pessoais”, completa. Ou seja, não admitir aquele parente ou amigo do vizinho que está desempregado.

É importante destacar que a empresa contratada apenas direciona o processo, filtrando candidatos mais experientes e qualificados para o cirurgião-dentista definir qual o profissional mais adequado. O responsável pelo consultório deverá realizar uma entrevista (e, preferencialmente, aplicar testes) para decidir a contratação.

Esse é o momento de saber se o candidato tem as características pessoais alinhadas com a imagem que o consultório espera transmitir. “A dica é escutar mais do que falar durante a entrevista. Ouça bastante e tente perceber o perfil da pessoa. E, já com a lista de competências em mãos, veja se ele é adequado”, explica o consultor de gestão odontológica Marcos Rocha.

Os especialistas também recomendam que seja feito um contrato com período de experiência, pois, por mais rigorosa que tenha sido a seleção, somente a prática vai comprovar se aquela é a pessoa certa.

“O prazo de experiência de três meses deve ser encarado como um teste para observar se aquelas competências que foram buscadas e enxergadas na entrevista realmente se comprovaram no dia a dia”, diz Rocha. E, durante esse período, tenha sempre uma segunda opção para fazer a troca rapidamente, caso seja necessário.

Após a efetivação, é fundamental estabelecer um planejamento de capacitação contínua. “Recomendo que a clínica invista, pelo menos, vinte horas de treinamento por ano para cada funcionário. E deve oferecer conhecimento em atendimento ao cliente, marketing pessoal, português (muito necessário), montagem de mesas clínicas e instrumentação, entre outros”, diz Plínio Tomaz, consultor de gestão e marketing.

No dia a dia, o cirurgião-dentista deve promover um relacionamento produtivo que gere o comprometimento de todos. “A harmonia dentro de uma equipe, mesmo que seja de duas pessoas, é indispensável. Tirar a figura do ‘chefe’ e inserir a figura do ‘líder’ é essencial”, diz Marcos Rocha. “Todos devem trabalhar com metas e ser recompensados quando elas são atingidas. Um bom líder sabe criar o espírito de equipe e comemorar as vitórias com todos, incentivando pela justiça e pelo exemplo, e não pela punição”, finaliza Tomaz.